← Voltar

,

BPN Crédito transforma-se em 321 Crédito

BPN Crédito, comprado pela Firmus Investimentos ao Estado em Dezembro passado, mudou de nome. Chama-se agora 321 Crédito e quer voltar a ocupar um lugar no “top-5″ do sector, atingindo uma produção de, “pelo menos”, 100 milhões de euros anuais.

Em Dezembro passado, o Estado vendeu o BPN Crédito, por 36 milhões de euros, à Firmus Investimentos, sociedade que reúne a CS Capital Partners, um fundo de investimento gerido pela londrina Cabot Square Capital, e a Eurofun, empresa portuguesa presidida por Luís Monteiro d’Aguiar.

Hoje, 13 de Julho, no Porto, Luís Monteiro D’Aguiar, num encontro com jornalistas, apresenta a 321 Crédito, a nova instituição financeira de crédito que incorpora todos os activos do agora extinto BPN Crédito.

“A 321 Crédito está no mercado nacional numa lógica de longo prazo e quer continuar a crescer em ritmo sustentado para voltar a ocupar o lugar que já lhe pertenceu entre as cinco maiores instituições financeiras de crédito especializado em Portugal”, afirmou o presidente executivo da empresa. A nível operacional esta meta implica atingir uma produção média de, “pelo menos”, 100 milhões de euros anuais.

Com activos líquidos de 120 milhões de euros, a 321 Crédito apresenta uma situação líquida de 22 milhões de euros. Em Abril passado, tinha anunciado um financiamento de longo prazo, de 100 milhões de euros, no mercado internacional de capitais, para o desenvolvimento da sua actividade em Portugal.

Depois de ter procedido a um despedimento colectivo de mais de oito dezenas de trabalhadores, a sucessora do BPN Crédito conta com um efectivo de 99 pessoas.

A nova marca 321 Crédito foi desenvolvida pela Brandia Central, estando a partir de hoje presente nos seus escritórios em Lisboa, Porto e Leiria, assim como dos seus “mais de 500 concessionários automóveis parceiros de negócio em todo o país”.

O responsável explicou ainda que a empresa tem como principal negócio o crédito para automóveis usados, mas que está a trabalhar para entrar no factoring e confirming (mais direccionados a empresas) no próximo ano. Luís Monteiro D’Aguiar referiu que estima um financiamento de 40 e 50 milhões de euros para estas áreas, ainda que esta questão não esteja fechada. O presidente executivo da sociedade referiu que outros produtos, como o crédito a consumo, já têm um mercado mais saturado.

A 321 Crédito quer ainda reforçar presença a sul de Aveiro e para isso vai contratar mais pessoas nessa zona. “Até 60% do negócio que temos é feito na zona Norte”, explicou o presidente executivo da empresa, que tem como objectivo ter uma quota de mercado de 15% no final de 2016, sobretudo no mercado automóvel.

Em paralelo, a sociedade vai continuar a reestruturar-se. Segundo Luís Monteiro D’Aguiar as alterações vão focar-se em dois pontos: na cultura e no investimento em sistemas, que não eram actualizados desde 2008. No primeiro caso, o responsável recordou que, por causa do processo de venda do BPN, a empresa esteve um quase ano sem dar crédito novo, o que significa que os trabalhadores “tiveram pouco trabalho”. O segundo ponto relaciona-se com a actualização de equipamentos e software. O investimento será de alguns milhões de euros, referiu.

Fonte: Jornal de Negócios